quinta-feira, 1 de outubro de 2009

500 Mil




Toda vítima de conto do vigário, no fundo, estava mal intencionada. Queria mesmo era botar a mão na bolada de dinheiro que o sujeito humilde sacode na sua frente... No fim das contas, o sujeito humilde se revela um cruzamento de Mazzaroppi com Darth Vader e o que tentava ser mais esperto leva uma rasteira.


O sujeito que procurou os repórteres do Estadão para oferecer a prova do Enem estaria nesse caso? Tendo nas mãos um exemplar da prova que seria aplicada a milhões de estudantes no próximo fim de semana, ele deve ter pensado: "oba, vou me dar bem". Ninguém sabe se por conta própria ou orientado por outro esperto, resolveu procurar a reportagem. Cobrou 500 mil pela "denúncia" e saiu de mãos abanando. Deve estar a caminho do Paraguai, apanhando (ou batendo) no amigo que teve a idéia luminosa: "Liga pro Estadão".


Minha sobrinha, que prestaria a prova, estava desolada. "A gente se prepara psicologicamente, sabe que vai enfrentar dois dias de prova... e aí..." Como consolo, eu disse a ela que seria pior se a falcatrua fosse revelada na segunda-feira que vem. "Credo, fazer a prova de novo? Já pensou?". O cruel desse crime - é um crime, pois não? - é que a nova data da prova pode embolar os vestibulares de outras faculdades e, ainda, retardar os pedidos ao Pró-Uni. Eu só disse uma coisa à minha sobrinha, e disse com tristeza. "Bem vinda ao mundo da corrupção".


9 comentários:

  1. esquisita essa historia, bandido ousado a pontod e roubar uma prova dessas, tentar vender para jornal? Sei não, acho que tem mais coisa debaixo desse angu.
    Toda a minha solidariedade a sua sobrinha, tadinha, Flora e Leon piravam às vésperas do vestibular.

    ResponderExcluir
  2. Esquisita mesmo. Mas a Renata Cafardo é gente fina, acho que não se meteria numa roubation.

    ResponderExcluir
  3. Não discuto a fineza da Renata, mas a história toda é muuuuuuiiiittttooooo estranha!!! Não se esqueça, às vésperas de eleições sempre aparecem casos mais do que escusos. Tenho dó da moçada, mas eles começam a entrar neste mundo de falcatruas chamado de normal. Arrisco a dizer que tem dedo daquela turma vampiresca.

    ResponderExcluir
  4. Mazzaroppi com Darth Vader foi genial!!

    Agora, a imagem do Zé Carioca ilustrando o post... humpf! Explique-se!!!!

    ResponderExcluir
  5. Gente, será que o Zé Bonitinho do Mal tá envolvido? Não havia atinado pra isso. De todo modo, tenho dó da rapaziada que tá empenhada em entrar numa facu (jovens não usam palavras com mais de três síladas: facu, refri...).

    Heitor, eu gosto do Zé Carioca - mas faz décadas que não leio seus gibis. Agora, ele foi criado como símbolo da nossa malemolência sestrosa, também conhecida por malandragem...

    ResponderExcluir
  6. Vc sabe que eu não sou de imaginar altas teorias da conspiração! Os jornais (FSP e Estadão) + a Record dizem que viram a prova. Assim fica fácil, como eles NÃO compraram, NÓS não temos como saber da veracidade de tal informação. Tem muita gente interessada em desacreditar o ENEM, just in case...

    ResponderExcluir
  7. Deu na FSP hoje: "O roteirista Ivan Saidenberg, conhecido pelo trabalho com o personagem Zé Carioca nos anos 70, morreu anteontem aos 68 anos, em Santos.". Credo, Pai Mário!!!

    ResponderExcluir
  8. Tá vendo? Mexe comigo, mexe... rs...

    ResponderExcluir
  9. Mário,

    A Ana e a Esther têm razão. Parece que tem grandes mutretas por trás dessa coisa do Enem. O velho esquema dos dossiês falsos etc, ano de eleição. O Nassif fez uma interessante análise política dessa história no blog dele.

    E já que ninguém falou: Parabéns Rio de janeiro, Parabéns Brasil. Tem gente se remoendo de ódio, de inveja, tem vampiro sentindo falta de sangue, tem boca de suvaco sentindo falta de desodorante..... Pena que meu pai já não tem condições de entender nada, depois da doença. Ele se emocionaria ao ver o homem que ele elejeu chorando ontem diante das câmeras.

    ResponderExcluir