sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Dia do Pendura


O tempo recuou quase 45 dias em Santo André: embora ontem fosse 24 de setembro, o pessoal da Vila Pires viveu um 11 de Agosto inesquecível, um Dia do Pendura fora de época. Pra quem não sabe, todo 11 de Agosto comemora-se a fundação da Faculdade de Direito do Largo de São Francisco. Nesse dia, os futuros bacharéis, promotores, ministros e portas-de-cadeia almoçam e jantam na rua sem pagar a conta no final - geralmente com a total discordância dos donos dos restaurantes. Enfim, é o Dia do Pendura, primeiro dos muitos calotes que vários profissionais vão dar pela vida a fora.

Vila Pires não tem faculdade de direito, parece que nem restaurante. Mas tem uma loja de fogos de artifício. Tinha. A loja ontem voou pelos ares, levando consigo uma parte considerável da rua em si. O ponto de comércio estava irregular, os vizinhos já vinham protestando fazia um tempo, mas só depois da explosão é que alguém resolveu levar as coisas a sério. Certamente isso não serve de consolo pros parentes das duas pessoas que morreram. Muito menos pros donos das quatro casas totalmente destruídas durante o acidente.

Fiquei pensando nos donos dessas casas. Sujeitos que, certamente, pagam suas contas, saem pra trabalhar, torcem pra algum time de futebol e gostam de acompanhar a novela toda noite. De uma hora pra outra, a vida deles não é mais o que era. Ruiu tudo. Uma série de bombardeios transformou suas casas em ruínas e deu a suas vidas um destino impensado. Como fénix do terceiro milênio, eles precisam renascer - não das próprias cinzas, mas da poeira.

Recomeçar é sempre bom, dizem os livros de auto-ajuda. Será que seus autores passaram por algo parecido? Perder tudo em um minuto? Não dá pra ser muito otimista quando se sabe que o prejuízo vai ficar por conta do abreu. Foi um grande e cruel Pendura. Quem vai pagar as casas? Os móveis? Os danos? Mesmo que esteja vivo, dificilmente o dono de um muquifo escondido numa rua de Santo André vai ter cacife pra repor o prejuízo material de tantas vítimas - mais de 100 pessoas desalojadas desde ontem. Mesmo que tivesse... seria suficiente? Como diz aquela propaganda de cartão de crédito, tem coisa que o dinheiro não compra.

Debaixo dos escombros, ficaram os eletrodomésticos ganhos no dia das mães, o dormitório comprado a prestação e a máquina de lavar que precisava ser trocada um dia desses. Debaixo dos escombros ficaram as roupas, os livros, os CDs, a revista que ainda ia ser lida e uma conta que vence dia 30. Ficou a lista do mercado, o par de sapatos comprado pro casamento do sobrinho e um vasinho de violetas todo florido.

Ficaram soterradas também todas as lembranças - uma almofada que a mãe mesmo bordou, um jogo de jantar do enxoval de casamento e um porta-retratos com uma foto tirada na última viagem a Porto de Galinhas. Ou será Porto Seguro? Sumiu pra sempre o álbum com fotos do caçula e o video de formatura do mais velho... Sumiu tudo...

Sobrou apenas, pendurada no chaveiro, uma chave inútil.

12 comentários:

  1. Rapaz, um belo texto. O drama humano, visceral e devastador, para além das estatísticas.
    abs

    ResponderExcluir
  2. CARAMBA!!! Ufa... (enxugando umas lágrimas)

    ResponderExcluir
  3. Valeu, gente! Foi um texto que começou a partir da última frase, vejam só... Eu tava caminhando, pensando no caso e pensei: a chave da casa vai abrir o quê? nada!

    ResponderExcluir
  4. Belo texto Mário..... Não chorei como a Ana, porque meu coração é uma pedra, você sabe. Mas, confesso que vacilei. Tou ficando frouxo.... Realmente você detonou!!

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  6. Numa das minhas mudanças de casa, achei que tinha perdido as fotos dos meus filhos. Gemte, fiquei triste até não mais poder. Lembro de contar para o meu psicanalista, arrasada.
    Quando fui mudar de novo, encontrei as fotos, só faltei soltar fogos (desculpe)de tanta alegria.
    É muito duro perder o registro de nossa memoria afetiva, mas do que perder bens e dinheiro.

    ResponderExcluir
  7. Guardar o passado em fotos e vídeos, presentes, músicas... mas sem que isso seja uma bola de ferro presa ao pé... Isso vale até para corações empredados, como o do Vita...
    Vcs viram o dono da loja de fogos? Achei bacana a mulher dele estar ao lado...

    ResponderExcluir
  8. Show de bola de relações públicas, quem orientou, orientou direitinho.

    ResponderExcluir
  9. Pensei nisso também. O advogado do cara é bom. Precisamos pegar o nome dele... nunca se sabe quando a nossa lojinha de fogos vai explodir...

    ResponderExcluir
  10. Desde que fui processada por advogados que tinha contratado para me defender, que me vi sozinha diante do Judiciário Brasileiro como ré de um processo de quarenta mil reais, sou a favor do amplo direito de defesa, não importa o crime, todo mundo tem direito a não ficar só diante do poder massacrante do Estado.
    A proposito. eu ganhei esse processo, mas tiver que contratar novo advogado para me defender dos outros, surreal, cara.
    Ninguem está livre de viver uma situação como o casal dos fogos, você tem toda a razão.

    ResponderExcluir
  11. O Tim Maia dizia (tá na biografia dele) que ele sempre contratada dois advogados, um para vigiar o outro.

    ResponderExcluir