quinta-feira, 2 de julho de 2009

O esquilo que habita em mim...


Na trilogia “A Era do Gelo”, não há personagem mais próximo de nós do que o esquilo Scrat. Obcecado por uma avelã, ele percorre os três filmes com um fôlego de dar inveja a qualquer atleta olímpico. Scrat não desiste, enfrenta todas as dificuldades, atravessa vales e montanhas, sempre à procura da avelã perfeita. Mais humano que isso, não há.
O filme tenta nos convencer que nossa proximidade é com a salutar convivência entre um tigre, dois gambás, um casal de mamutes e uma preguiça trapalhona. Não acredite nisso. O máximo que conseguimos é encontrar pontos em comum com a Sid, a preguiça medrosa. Scrat também tem medo – ele grita e esbugalha os olhos na maior parte das cenas... Taí, deve ser o medo que nos faz compreender o esquilo precavido e a preguiça assustada.
Ao contrário do que ensina o catecismo capitalista, não é salutar ser 100 por cento destemido. O medo, que pode paralisar, é o principal motor de nossos avanços. Só seguimos em frente porque tememos a imobilidade – parados são os mortos, vivo que é vivo se mexe. Seguimos assustados, passo a passo, atentos aos sinais. Isso nos garante a sobrevida.
Mas chega desse espírito de auto-ajuda. “Era do Gelo 3” é divertidíssimo e tem malícia pra dar e vender – a borboleta que saiu do casulo e os gases tóxicos são dois ótimos momentos em que a criançada ri, mas não sabe direito do quê. Papai e mamãe, se não forem desconectados do mundo, sabem.
Desta vez, Scrat, o esquilo, encontra uma potencial companheira. Ela é charmosa, tem olhar oblíquo e dissimulado e persegue uma avelã com a mesma avidez do macho. Seriam almas gêmeas, se a aventura representada pela avelã perdida não fosse uma tentação mais forte.
Forte também é o instinto materno da preguiça Sid, aparentemente o exemplar macho de uma espécie ameaçada de extinção. Sid é, acima de tudo, um trapalhão de primeira. Mas tem um coração de ouro, tanto que adota três ovos de dinossauro. Tem início a confusão.
Não é de hoje que os desenhos animados apresentam alternativas à fórmula da Grande Família: ao lado de Papai e Mamãe há sempre Tio isso ou Tia aquilo, os solteiros disponíveis e sempre prontos ao papel de babá e aventureiro. A família Disney, então, dispensa papi e mami e enche a sociedade de tios e tias devidamente assexuados.
Na Era do Gelo, pelo menos, reconhece-se o interesse sexual. E ele chega a ser tão forte que supera mesmo a fome atávica pela avelã.

6 comentários:

  1. Eu sou fanática pela A Era do Gelo. Gosto mais do II, a cena dos abutres cantando a música do Oliver Twist "Food, Glorius food" é a coisa mais hilária que vi na tela nos últimso tempos. O III, reservo paraver com o Leon, meu filho e cúmplice de paixão por esse desenho. Vou prestar atenção nos destaques que você fez, valeu.

    ResponderExcluir
  2. O 3 é melhor ainda. Se vc puder, vê em 3-D, um arraso.

    ResponderExcluir
  3. eu quero ver. no 2 só tinha dublado na hora q fui no cinema com minha mãe. éramos as únicas adultas sem crianças no cinema e fomos as que mais rimos. o esquilo nao é o meu preferido, mas é o preferido do 007. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
  4. Que delícia saber q vc gosta de desenhos...
    Na faculdade fiz um trabalho sobre desenhos, inclui "Shrek" e !A era do gelo".
    Falei sobre a desmistificação da beleza no Shrek (o príncipe lindo é...gay)
    E sobre a busca desenfreada do Scrat.(resumidamente foi isto kkkk)

    Seu blog é muito bom!! Não comento muito, mas acompanho e faço muito merchan!

    Abs
    tati

    ResponderExcluir
  5. Valeu, Tati!!!!

    Shrek é ótimo!!!!!

    ResponderExcluir
  6. no filme a era do gelo 2, o esquilo desmaia e sonha que vai para o céu das nozes ou morre e depois ressuscita? é que essa questão tah valendo uma aposta. Se puder responder obrigada!!

    ResponderExcluir